TRANSFORMAR A VIDA – MUDANÇA

Osvaldo Shimoda escreve um artigo com o título "MUDE E TRANSFORME A VIDA".  Como cncordo com ele em muitos aspectos, uso algumas de suas idéias e faço também minhas considerações sobre este tema importante e sobre o qual somos todos convidados a refletir para, conhecendo melhor, também nos posicionarmos melhor sobre o que queremos para nossa vida.
"A maioria das pessoas frequentemente sente que suas vidas são predestinadas e que não podem ser mudadas. Sendo assim, há três tipos de pessoas: 1) As que ficam como espectadoras, assistindo passivamente os acontecimentos de suas vidas, pois se sentem impotentes, reféns diante da vida; afirmam que estão cumprindo o carma, que não adianta fazer nada… 2) As que se revoltam, vivem se queixando, entrando no vitimismo, culpando e responsabilizando as pessoas, os fatos e a vida pela sua infelicidade; não interpretam nada do acontece como cosnequência das próprias escolhas; são as coitadinhas que ninguém compreende e que sempre são prejudicadas… 3) As que fazem as coisas acontecerem, ou seja, não ficam remoendo o passado, culpando ou responsabilizando as pessoas, os fatos ou mesmo adotando uma postura fatalista, conformista diante dos insucessos da vida. Estão sempre procurando saídas para os fatos ou problemas. Focam sua atenção na oportunidade e na solução e não no problema e na crise. São honestos consigo mesmos, deixando as experiências velhas de lado para adquirir novas, procurando sempre aprender com os seus erros. Acima de tudo têm humildade em reconhecer suas falhas e imperfeições buscando se lapidar. Não ficam olhando para o passado só para ver em quem continuar jogando pedras e culpando por seus fracassos. 

"Não entram na onipotência (Sou capaz de tudo) e nem na impotência (Não sou capaz de nada), mas na potência (Sei das minhas possibilidades e limitações).
Sentem-se, portanto, potentes e não onipotentes ou impotentes diante da vida. São essas pessoas que fazem a diferença, que buscam transformar suas vidas".
As pessoas que procuram ajuda em terapia podem ser encaixadas nestes três tipos. E se a pessoa está no grupo daqueles que acham que os outros é que são culpados pelas coisas que lhe acontecem e, por isso, os outros é que precisam mudar em tudo para que ela possa viver melhor, o trabalho é árduo. Tem-se que trabalhar uma mudança interna estrutural. Muitas simplesmente desistem da terapia porque não querem sair da posição cõmoda de serem vítimas e assumir responsabilidades pelo próprio destino.

A terapia precisa ter a etapa conscientizadora e a parte transformadora. Depois de tomar consciência a pessoa precisa acreditar que pode mudar a postura e investir na direção de uma qualidade de vida e de análise da realidade melhor. Não há possibilidade de mudança sem um envolvimento para valer da pessoa que deseja uma vida nova. O esforço precisa ser efetivo e a pessoa estar firme nos seus propósitos. Assumir sua vida também com os riscos. Mas também para dar este passo é necessário maturidade e prontidão. Por isso que alguns demoram tanto tempo para começarem a crescer. E muitos nem se permitem pensar em mudança ou em pedir auxílio para se conhecerem melhor. Têm medo e preferem continuar reclamando mas do mesmo jeito. Outros preferem morrer a fazer uma mudança. 

A pessoa precisa fazer por merecer uma vida melhor. Abrir-se  para se entender e aceitar suas falhas e também perceber suas potencialidades. Quando a pessoa é muito prepotente ou medrosa, quando se lhe apresenta alguma verdade que pode por em dúvida sua estabilidade ou autoimagem, ela se volta contra quem lhe apresentou a novidade ou quis lhe mostrar outro valor. É neste contexto que se pode entender a máxima de Jesus quando fala que se "você atirar pérolas aos porcos eles vão se voltar contra você".
Costumo falar frequantemente a alguns pacientes, principalmente aos dependentes químicos que, de modo geral, estão com a vida arrebentada, que se querem colher coisas novas ou melhores no futuro, têm que começar a plantar coisas novas no presente. Se continuarem vivendo e agindo da mesma forma, vão colher sempre estas coisas que têm feito com que sintam a vida um lixo. Se quiser presentear o futuro precisa viver bem o presente. Não tem outro jeito. 

 
 

Anúncios

Sobre joaoloch

Psicólogo. Acupunturista. Quiropraxista, Terapeuta em Florais de Bach e Reiki, Mestre em Educação. Prof. Universitário. Clínica particular de Psicologia e Acupuntura End.: Rua Carlos Gomes, 697 - Vila Williams - Garça SP Fone (14) 34061605
Esse post foi publicado em FORMAÇÃO HUMANA. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s