Coronel Fabriciano II – Crônica do Benedito

Com essa “marolinha” que houve no ano passado em nossa economia, vocês se lembram de quantos bilhões o governo doou para os bancos?…

         Vejam as consequências:

         – Com resultado recorde do BB, setor registrou lucro 15% maior em 2009.

         – Nós sem saúde, sem educação e os aposentados, com salários miseráveis, morrendo de fome…

V – CORONEL FABRICIANO II

002 – Meu primeiro vestibular 

Morava com meus pais (que saudades!), em Coronel Fabriciano, e trabalhava como químico, no Laboratório Franco, de propriedade de minha irmã Celma, bioquímica e hematologista, quando resolvi prestar o vestibular na Universidade do Trabalho, no início de seu funcionamento.

Em matéria de provas sempre fiz o mínimo necessário. Lembrei-me de quando cursava Química no Rio, pois recebendo um dez numa prova, deixava de fazer a seguinte – média cinco passava. Nessa escola – apesar de, posteriormente, ter freqüentado, por algum tempo, algumas faculdades – passando no vestibulinho, para química ou eletrotécnica, recebi o único diploma na vida, pois, o trote era apenas o recebimento, pelo novo aluno, de um Diploma de Burro (guardo-o até hoje… Uma honra!). Formei-me e não busquei, até agora, o meu diploma de químico – normalmente trabalhei em multinacionais e nunca me exigiram por terem mais químicos.

Como trezentas eram as vagas e só duzentos e noventa e oito os candidatos, incluindo eu, constava no regulamento do vestibular que não passaria quem tirasse nota zero em qualquer das provas. Portanto, uma vez mais vagas que candidatos, recebendo nota diferente de zero, em todas as provas, seria aprovado!

E lá fui eu para  a primeira delas: inglês.

Encabeçando as perguntas:

– Do you speak english?

– Yes! Respondi.

Nem bem um minuto era passado, levantei-me e entreguei os papeis ao inspetor. Meio assustado:

– Não vai fazer a prova?

– Já terminei.

Os colegas, ouvindo minha resposta, olharam-me de olhos arregalados – o inspetor mais ainda: Seria um gênio?… Devem ter pensado.

Saí tranqüilamente.

A segunda: matemática. Cento e vinte problemas fáceis, capciosos. O inicial, praticamente uma soma de 2 + 2. Escrevi: = 4. Entreguei. E mais uma vez o inspetor com a mesma pergunta e os colegas me olhando de lado.

Também saí tranqüilamente.

E assim aconteceu com todas as provas. Respostas mínimas, mas com a certeza de estarem corretas. Logo… aprovar-me-iam!

Qual não foi a surpresa quando recebi comunicação da UT para comparecer à diretoria. Pensei que a UT não chamaria um candidato à-toa, pois os desaprovados não são comunicados, logo, algo de bom aconteceu.

Comparecendo, fui argüido, por um diretor e o assistente, sobre minhas respostas nas provas. Respondi-lhes que apenas segui o regulamento, tomando cuidado de as respostas estarem absolutamente certas.

Meus inquisidores, depois de confabularem, disseram-me que me reprovaram porque a resposta na prova de inglês estava incorreta. Deveria ser: "Yes, I do!".

Argumentei que americanos, do jeito que são práticos, nunca falariam "Yes, I do!", apenas "Yes", como coloquei propositadamente na prova – mesmo sabendo poder não ser verdadeiro.

Acataram meu argumento…

E lá fui eu estudar Ciências Exatas! 

                Benedito Franco

Anúncios

Sobre joaoloch

Psicólogo. Acupunturista. Quiropraxista, Terapeuta em Florais de Bach e Reiki, Mestre em Educação. Prof. Universitário. Clínica particular de Psicologia e Acupuntura End.: Rua Carlos Gomes, 697 - Vila Williams - Garça SP Fone (14) 34061605
Esse post foi publicado em Entretenimento. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s