Vida eterna…

João 6,41-51

Naquele tempo, 

41 os judeus começaram a murmurar a respeito de Jesus, porque havia dito: “Eu sou o pão que desceu do céu”. 
42 Eles comentavam: “Não é este Jesus o filho de José? Não conhecemos seu pai e sua mãe? Como pode então dizer que desceu do céu?”
43 Jesus respondeu: “Não murmureis entre vós. 
44 Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia.
45 Está escrito nos profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai, e por ele foi instruído, vem a mim. 
46 Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 
47 Em verdade, em verdade vos digo, quem crê, possui a vida eterna.
48 Eu sou o pão da vida. 
49 Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram.
50 Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. 
51 Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

José Antonio Pagola

 

O CAMINHO PARA CRER EM JESUS

Segundo o relato de João, Jesus repete cada vez de modo mais aberto que vem de Deus para oferecer a todos um alimento que dá vida eterna. O povo não pode continuar escutando algo tão escandaloso sem reagir. Conhece seus pais. Como pode dizer que vem de Deus?

A sua reação não pode surpreender a ninguém. É razoável crer em Jesus Cristo? Como podemos crer que esse homem concreto, nascido pouco antes de morrer Herodes o Grande, e conhecido pela sua atividade profética na Galileia dos anos trinta, encarnou o Mistério insondável de Deus?

Jesus não responde às suas objeções. Vai diretamente à raiz de sua incredulidade: “Não critiqueis”. É um erro resistir à novidade radical de sua pessoa obstinando-se em pensar que já sabem tudo de sua verdadeira identidade. Indicar-lhes-á o caminho que podem seguir.
Jesus pressupõe que ninguém pode crer nele se não se sente atraído por sua pessoa. Está certo. Talvez, a partir de nossa cultura, o compreendemos melhor que as pessoas de Cafarnaum. Cada vez, torna-se mais difícil crer em doutrinas ou ideologias. A fé e a confiança são despertadas em nós quando nos sentimos atraídos por alguém que nos faz bem e nos ajuda a viver.

Porém, Jesus nos adverte de algo muito importante: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai”. A atração para Jesus é produzido por Deus mesmo. O Pai que o enviou ao mundo, desperta nosso coração para que nos aproximemos de Jesus com alegria e confiança, superando dúvidas e resistências.
Por isso, temos de escutar a voz de Deus em nosso coração e deixar-nos conduzir por Ele até Jesus. Deixar-nos ensinar docilmente por esse Pai, Criador da vida e Amigo do ser humano: “Todo aquele que escutou o Pai, e por ele foi instruído, vem a mim”.

A afirmação de Jesus é revolucionária para aqueles judeus. A tradição bíblica dizia que o ser humano escuta, em seu coração, o chamado de Deus para cumprir fielmente a Lei. O profeta Jeremias havia proclamado, assim, a promessa de Deus: “Eu porei minha Lei dentro de vós e a escreverei em vosso coração”.
As palavras de Jesus nos convidam a viver uma experiência diferente. A consciência não é somente o lugar recôndito e privilegiado no qual podemos escutar a Lei de Deus.

Se, no íntimo de nosso ser, nos sentimos atraídos pelo bom, pelo belo, pelo nobre, pelo que faz bem ao ser humano, pelo que constrói um mundo melhor, facilmente nos sentiremos convidados por Deus a entrar em sintonia com Jesus. É o melhor caminho para crer nele. Aquele que crê, tem vida eterna.

SABER VIVER
Quantas vezes temos escutado: “O que, verdadeiramente, importa é saber viver”. E, sem dúvida, não é fácil explicar o que é, em verdade, “saber viver”.
Com frequência, nossa vida é demasiado rotineira e monótona, de cor cinza. Porém, há momentos em que nossa existência se torna feliz, se transfigura, ainda que de modo fugaz.
Momentos nos quais o amor, a ternura, a convivência, a solidariedade, o trabalho criador ou a festa, adquirem uma intensidade diferente. Sentimo-nos viver. Do profundo do nosso ser, dizemos a nós mesmos: “isto é vida”.

O evangelho de hoje nos recorda umas palavras de Jesus que podem nos deixar desconcertados: “Eu vos asseguro: quem crê, possui a vida eterna”.
A expressão “vida eterna” não significa, simplesmente, uma vida de duração ilimitada, mesmo depois da morte. Trata-se, antes de mais nada, de uma vida de profundidade e qualidade novas, uma vida que pertence ao mundo definitivo. Uma vida que não pode ser destruída por um bacilo nem ficar truncada na intersecção de qualquer estrada. Uma vida plena que vai além de nós mesmos, porque é já uma participação na própria vida de Deus.

A tarefa mais apaixonante que temos à nossa frente, hoje, é a de ver como sermos mais humanos. Como crescer como humanos. Os cristãos acreditam que a maneira mais autêntica de viver como homens é a que nasce de uma adesão total a Jesus Cristo. “Ser cristão significa ser pessoa, não qualquer tipo de pessoa, mas o ser humano que Cristo cria em nós”.

Quem sabe, tenhamos que começar por acreditar que nossa vida pode ser mais plena e profunda, mais livre e alegre. Talvez, tenhamos que nos atrever a viver o amor com mais radicalidade, para descobrir um pouco mais o que é “ter vida abundante”. Em última análise, como diz São João: “Sabemos que passamos da vida à vida, quando amamos os nossos irmãos”.

Porém, não se trata de amar porque nos disseram que devemos amar, mas porque nos sentimos radicalmente amados. E, porque, cremos com firmeza que “nossa vida está oculta com Cristo em Deus”.

Certamente, há uma vida, uma plenitude, um dinamismo, uma liberdade, uma ternura, que o “mundo não pode dar”. Somente os descobre quem é capaz de enraizar sua vida em Jesus Cristo.
Tradução do espanhol: Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: MUSICALITURGICA.COM – Homilías de José A. Pagola – 08/08/2012 – 12h57 – Internet: http://www.musicaliturgica.com/0000009a2106d5d04.php

Anúncios

Sobre joaoloch

Psicólogo. Acupunturista. Quiropraxista, Terapeuta em Florais de Bach e Reiki, Mestre em Educação. Prof. Universitário. Clínica particular de Psicologia e Acupuntura End.: Rua Carlos Gomes, 697 - Vila Williams - Garça SP Fone (14) 34061605
Esse post foi publicado em Teologia - reflexão e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s