Louca Paixão

O título dado a este artigo foi escolhido por mim para um trecho do livro  de D. TENNOV (1979), LOVE AND LIMERENCE: the experience of being in love, New York: Stein and Day, citada por J. HAROLD ELLENS, em seu livro: SEXO NA BÍBLIA: novas considerações, São Paulo: Fonte Editorial, 2011, trad. pp 82-85.

É um texto que considero bem ilustrativo sobre o estar apaixonado ou, em estado limerante, como afirma Tennov que, após uma larga pesquisa constatou que estar neste estado é estar em estado alterado de funcionamento do organismo, onde há alteração em alguns hormônios, deixando a pessoa numa situação de carência da outra por quem se apaixonou perdendo o controle dos seus pensamentos e ficando afetada na capacidade de observar o objeto amado como realmente é.

Considera a autora que,

Estar em estado de limerância é sentir o que normalmente é nomeado de “paixão”. Parece que o amor podem coexistir sem a limerância, na verdade, parece que qualquer um dos três pode existir sem os outros e são facilmente feridos pela rejeição ou regozijados quando veem sinais de apreciação. Quando uma amizade passa por dificuldades, nós sofremos; quando nós conseguimos compartilhar nossas vidas  com os outros no prazer do que é entendido como interesse e conhecimento mútuo, nós somos fortalecidos. Uma pessoa que não é limerente em relação a você pode sentir grande afeição e preocupação por você, até ternura, e possivelmente desejo sexual também. Uma relação que não contém limerância pode ser uma relação muito mais importante em sua vida,  quando tudo é dito e feito, do que uma relação na qual você experimenta as forças de uma paixão limerente.  A limerância de forma alguma é preeminente entre os tipos de atração ou interação humanas, mas quando a limerância está em toda a sua força, ela eclipsa as outras relações. (p. 16).  

Comentando o texto de Tennov, Ellens continua escrevendo que a limerância é uma fonte de incríveis experiências prazerosas para uma pessoa, ainda mais prazerosa se experimentada por duas pessoas, o mante e o amado. Entretanto ela é um alto vício que não está bem conectado com as realidades mundanas do dia a dia e jamais deveria, portanto, ser confundida com o verdadeiro  e duradouro amor. Isto não torna esta questão cintilante sobre o apaixonar-se má, negativa ou que precise ser evitada. É um presente, como uma cobertura de bolo, quando uma pessoa pode experimentar a limerância com uma pessoa reciprocamente e é capaz de suportar uma relação duradoura de amor verdadeiro….

A relação entre a limerância e o sexo permanece extremamente complicada… O sexo limerente produz os maiores prazeres que os seres humanos podem conhecer. Entretanto, a evidência do estudo de Tennov tendeu à conclusão de que as próprias naturezas da limerãncia e do sexo tendem a “conspirar para minar a felicidade (em longo prazo), exceto nas circunstâncias mais sortudas e extraordinárias”. Quem tem esta sorte pode mesmo se regozijar.

No prefácio de seu livro, p XII, Tennov descreve como fica uma pessoa limerente. É realmente uma pessoa em estado de paixão. Loucamente, para honrar o termo, apaixonado. Vamos ao texto.

Eu te quero. Te quero para sempre, agora, ontem e sempre. Acima de tudo eu quero que você me queira. Não importa onde eu esteja ou o que eu esteja fazendo, eu não estou livre o teu feitiço. A todo o momento, a imagem do teu rosto sorrindo para mim, de tua voz me dizendo que te importas, ou de tua mão em mim, pode repentinamente tomar minha consciência, colocando tudo o mais para fora. A expressão ‘pensando em você’ não transmite a qualidade ou a quantidade desta atividade mental involuntária. ‘Obsessão’ chega  perto mas não transmite a dolorosa saudade… Esta predisposição é uma montanha russa emocional que me leva do pico do êxtase às profundezas do desespero, e subindo e descendo, subindo e descendo. Eu aguento pensar em outras coisas quando eu preciso, mas a prolongada concentração em qualquer outra coisa é difícil de aguentar… Tudo me faz lembrar de ti. Eu tento ler,mas quatro vezes em uma única página algumas palavras iniciam uma cadeia relâmpago de associações que afasta minha mente do meu trabalho… Frequentemente eu… me jogo sobre minha cama, e meu corpo repousa enquanto minha imaginação constrói razões longas e plausíveis para acreditar que tu me amas… Depois do fim de semana… meu cérebro repete cada momento. Repete vez por vez. À noite, na cachoeira disseste que me amavas: dez mil reverberações da cena salpicaram meus dias seguintes com muita alegria. 

E H. Ellens termina esta reflexão afirmando o seguinte: O que quer que signifique ser conforme a imagem de Deus, macho e fêmea, está claro que este negócio de sexo e amor é um dom de Deus para ser saboreado e celebrado com consideração e carinho pela outra pessoa, num estado de afeto e bem querer. 

Anúncios

Sobre joaoloch

Psicólogo. Acupunturista. Quiropraxista, Terapeuta em Florais de Bach e Reiki, Mestre em Educação. Prof. Universitário. Clínica particular de Psicologia e Acupuntura End.: Rua Carlos Gomes, 697 - Vila Williams - Garça SP Fone (14) 34061605
Esse post foi publicado em FORMAÇÃO HUMANA. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s