ALZHEIMER

Casos de Alzheimer vão dobrar até 2030, prevê associação

Gabriela Vieira

A Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que o número de casos de demência entre os idosos irá mais que dobrar até 2050. Na América Latina, o crescente envelhecimento da população pode fazer esse aumento ultrapassar os 500%Entre as doenças que provocam demência na população idosa, o Alzheimer é a mais comum.

A estimativa é de que a doença atinja hoje 1,2 milhão de pessoas com mais de 65 anos no Brasil. E o número de casos vai mais que dobrar até 2030, segundo a Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz).

As informações foram divulgadas por especialistas nesta quarta-feira (8), em conjunto com o lançamento de uma série de vídeos da entidade, cujo objetivo é alertar a população para a necessidade de um diagnóstico precoce da doença. O material se destina a cuidadores e familiares, mas deve servir de base para uma proposta de campanha pública que a Abraz pretende levar ao governo.

No país, mais da metade dos idosos brasileiros com Alzheimer ainda não sabe que possui a doença e, entre os pacientes diagnosticados, apenas um em cada quatro recebem o tratamento adequado. “Em todo o mundo, há um aumento de 4,6 milhões casos de Alzheimer por ano, sendo que menos de 50% dos pacientes com a doença têm o diagnóstico. Dessa parcela, novamente apenas metade recebe o tratamento, que frequentemente é insuficiente. Essa também é a realidade do Brasil”, afirma o neurologista da Escola Superior de Medicina de São Paulo da Unifesp, Paulo Bertolucci.

A doença de Alzheimer (DA) é descrita clinicamente como uma demência degenerativa primária. Devido ao acúmulo anormal de uma proteína existente no cérebro, a DA provoca a formação de placas senis que prejudicam a atividade dos neurônios (as sinapses) e ocasionam a morte dessas células. O principal sintoma da doença é a perda progressiva das funções mentais. “A doença não tem cura, mas o tratamento nas fases iniciais da doença pode postergar em anos os sintomas e complicações “, afirma Fernanda Paulino, presidente da Abraz

Diagnóstico e tratamento 

O tratamento do Alzheimer consiste tanto no uso de medicamentos como na estimulação física, intelectual e social dos pacientes. Não há como prevenir a doença. De acordo com os especialistas, é possível apenas combater alguns fatores de risco e o baixo nível de atividade intelectual é um dos mais importantes, depois da idade. “Muitos estudos comprovam que idosos que mantêm atividades intelectuais frequentes, como jogar dama ou xadrez, apresentam menor incidência de Alzheimer do que aqueles que não fazem exercícios mentais”, explica Bertolucci.

O neurologista também explica que a doença de Alzheimer tem, antes da fase inicial, uma etapa silenciosa. Nessa fase, que pode ser detectada em exames de tomografia, o acúmulo de proteína que causa a perda de neurônios já acontece, mas não gera sintomas. “Quanto mais cedo é iniciado o tratamento, menor a velocidade de evolução da doença. O problema então é de diagnóstico precoce.”

Para Bertolucci, a complexidade do diagnóstico faz tanto os doentes e seus familiares quanto os próprios profissionais de saúde retardarem o início dos cuidados. Segundo ele, a maioria dos tratamentos no Brasil começam quando o “estrago” já está feito. Fernanda Paulino acrescenta que a perda de memória é comumente atribuída à idade e isso também prejudica o diagnóstico.

Fases

Segundo o Ministério da Saúde são quatro as fases da DA. Na etapa inicial, os principais sintomas são a perda de memória e a mudança drástica de humor e personalidade. Na segunda fase, há prejuízo na execução de atividades rotineiras – como ir e vir sozinho dos lugares – e o paciente necessita de monitoramento, pois pode se colocar em situações de risco. A perda total de capacidades e funções simples, como tomar banho, marcam a terceira fase da doença. No estágio final, há perda praticamente total das lembranças e de capacidades motoras.

“Falhas de memória todos têm, desde uma criança até um idoso, e as causas são diversas. Um sinal de alerta (para Alzheimer) é quando essas falhas se tornam mais severas e frequentes, que acabam afetando o cotidiano da pessoa”, diferencia o neurologista.

Não lembrar de um compromisso agendado é algo corriqueiro para a maioria das pessoas nos dias atuais, mas no caso de pessoas com Alzheimer não ocorre só o esquecimento do horário. Elas não lembram sequer de tê-lo marcado. É como se isso nunca tivesse acontecido. Esse, segundo Bertolucci, é o momento de procurar um especialista.

———————————————————————————-

Pesquisadores britânicos desenvolvem teste de sangue que detecta Alzheimer

Em Londres
12/03/2013
10h11
Um grupo de pesquisadores da Universidade de Nottingham (centro da Inglaterra) está desenvolvendo um teste que identifica, mediante uma análise de sangue, os casos de Alzheimer em sua fase mais adiantada, informou nesta segunda-feira (11) a emissora “BBC”.

Os cientistas apresentaram as primeiras conclusões de suas provas, que qualificam de “muito promissoras”, na conferência sobre a doença que ocorre neste dias no Reino Unido.

A técnica poderia ser feita em qualquer clínica e se baseia em identificar no sangue uma “combinação de marcadores” que são diferentes para as pessoas sãs e as que padecem da doença.

Estes marcadores são essencialmente proteínas que os cientistas associam ao mal de Alzheimer, como a amiloide e a apolipoproteína (Apoe), assim como outros elementos sugeridos pelos especialistas como prováveis que esta análise também identifica.

“Nossas descobertas são emocionantes porque mostram que é tecnicamente possível distinguir as pessoas sãs e as que sofrem com o Mal de Alzheimer utilizando uma análise de sangue”, apontou Kevin Morgan, responsável pelo estudo.

Potencialmente, a prova poderia identificar os sintomas antes que a doença apareça, “como em um trailer”, nas palavras de seus criadores, que disseram que o teste ainda tem que ser validado e que pode demorar uma década até ser usado em pacientes.

“Já que as análises de sangue são uma forma rápida e fácil de ajudar no diagnóstico, estamos muito felizes com este descobrimento e com o potencial que tem para o futuro”, disse Morgan à emissora britânica.

Para aumentar a potência da prova, os pesquisadores utilizaram algumas proteínas relacionadas com a inflamação que ajudam a distinguir até três níveis: pacientes completamente limpos, de pouco risco e de alto risco.

Se o paciente for considerado de risco médio, será “realizado um acompanhamento contínuo”, enquanto se for de alto risco, será encaminhado para um especialista para realizar provas mais profundas e conhecer seu estado de forma conclusiva.

RedeMind

Anúncios

Sobre joaoloch

Psicólogo. Acupunturista. Quiropraxista, Terapeuta em Florais de Bach e Reiki, Mestre em Educação. Prof. Universitário. Clínica particular de Psicologia e Acupuntura End.: Rua Carlos Gomes, 697 - Vila Williams - Garça SP Fone (14) 34061605
Esse post foi publicado em Saúde e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s