Relacionamentos e Desilusões

É muito comum ouvirmos a afirmação “fui enganado”, referindo-se a outra pessoa, com a qual houve um envolvimento.
No fundo não se foi engando pela outra pessoa. O engano foi criado pelas próprias expectativas sobre o outro e seu comportamento.
O outro, percebendo nossas expectativas, por um certo período, para não nos perder, ou nos conquistar, procura se moldar ao que lhe parece nos agradar. E nós, também fazemos a mesma coisa. Mas como é algo que não faz parte da pessoa, com o passar do tempo há um descuido em alimentar aquilo que parecia ser normal. Isto dos dois lados. Um percebe o que frustra no outro, mas não percebe o que causa frustração. Com isso começam as cobranças, críticas, manifestações de descontentamento…. Queremos transformar o outro para se adequar às nossas necessidades ao mesmo tempo que resistimos a nos deixar domesticar. Claro que vão surgir atritos, e palavras duras que magoam.
Ao sairmos da ilusão de como seria a convivência com a outra pessoa que por sua vez também nos mostra muitos de nossos defeitos que não queremos ver, temos a opção de juntos, com a boa vontade das duas partes, irmos acertando as arestas, aceitando que somos diferentes e que não precisamos ser iguais para convivermos e nos ajudarmos. E nem sermos donos das decisões da outra pessoa. Aprendendo a olhar para nós mesmos e aceitando que temos fraquezas, erramos, somos chatos em muitas situações, temos manias….podemos começar a sermos mais complacentes com os defeitos do outro que convive conosco. E aí, mesmo não sendo um paraíso, podemos viver felizes, porque nos aceitamos mutuamente, não precisando ser outra pessoa e crescemos juntos.
Não havendo essa disposição, ou capacidade para aceitar e respeitar as diferenças, sem quer, talvez não sobre outra alternativa a não ser reconhecer que há imaturidade ou incapacidade para a convivência e cada um tomar o seu rumo, antes de tornar a vida um do outro um inferno.
Normalmente, na convivência, não foi o outro que nos enganou. Fomos nós que nos enganamos não querendo ver o que estava à mostra mas que não era agradável. Pensávamos que aquilo não atrapalharia. Superestimamos nossa capacidade de aceitação do diferente….

Anúncios

Sobre joaoloch

Psicólogo. Acupunturista. Quiropraxista, Terapeuta em Florais de Bach e Reiki, Mestre em Educação. Prof. Universitário. Clínica particular de Psicologia e Acupuntura End.: Rua Carlos Gomes, 697 - Vila Williams - Garça SP Fone (14) 34061605
Esse post foi publicado em FORMAÇÃO HUMANA, Psicologia, Uncategorized e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s